Home Tipos de Adoção
Alegria de reconhecimento como gravidez, diz casal homosexual PDF Imprimir E-mail

Em decisão inédita no Brasil, Justiça autoriza que dois homens de Catanduva (SP) sejam considerados pais em certidão de nascimento.

junior_e_vasco

Justiça permite que Júnior e Vasco sejam listados como pais na certidão de nascimento de Theodora

"Foi como uma mulher abrir um exame e descobrir que está grávida." É desta forma que o cabeleireiro Vasco Pedro da Gama Filho, de 35 anos, explica a felicidade de retirar na terça-feira (22) a certidão de nascimento da filha Theodora, de cinco anos, onde constam o nome de Vasco e do  também cabeleireiro Júnior de Carvalho, de 42 anos, como pais.

Veja o vídeo: Casal homossexual consegue guarda definitiva de menina em São Paulo.

Os dois, que moram em Catanduva, a 385 km de São Paulo, passaram a manhã desta quarta-feira recebendo jornalistas e enfrentando o assédio causado pelo ineditismo da decisão. É a primeira vez que a Justiça emite uma certidão de nascimento em que um casal homossexual masculino responde pela paternidade de uma criança adotada.

"A gente ficou muito feliz com a decisão. Acho que para o movimento GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) é muito importante esta conquista", disse o cabeleireiro ao G1. Ele acredita que isto abre precedentes para outros casais gays.

Gama Filho fez uma crítica, entretanto, ao fato de os homossexuais conseguirem adotar crianças, mas não terem o casamento reconhecido. "O casamento, que viria antes dos filhos, ainda não foi aprovado, mas os filhos a gente já conseguiu", afirmou.

Paixão à primeira vista

O caminho foi longo até o casal conseguir adotar Theodora. Os cabeleireiros têm uma união estável há 14 anos e em 1998 decidiram entrar com um pedido de adoção, negado por um juiz da cidade. Em 2004, eles decidiram insistir e fazer uma nova tentativa.

A menina surgiu na vida deles no mesmo ano, em uma visita a uma instituição de crianças carentes do município. "Eu me apaixonei por ela ali. Eu bati uma foto dela escondido e cheguei em casa falando pro Júnior que tinha uma 'bugrinha' que era a nossa cara", conta.

Um ano se passou e o casal continuou procurando uma criança para adotar até em outras cidades. No final de 2005, uma juíza de Catanduva decidiu dar algumas crianças para famílias substitutas e Theodora foi escolhida para morar na casa deles. "A gente estava torcendo para ser ela", diz Gama Filho.

A menina só havia sido registrada, entretanto, no nome de Gama, que enfrentou o processo de adoção como uma pessoa solteira. O casal decidiu então entrar com um pedido de reconhecimento de paternidade de Carvalho. A decisão saiu no dia 30 de outubro e a nova certidão de nascimento nesta terça-feira (22).

O cabeleireiro diz que a filha tem orgulho de ter dois pais. "Ela está sendo criada neste meio. A professora disse que ela tem orgulho e até esnoba os coleguinhas", conta. Para não causar confusão, Theodora chama Gama Filho de "pai" e Carvalho de "pai Ju".

No Dia dos Pais, a menina fez dois presentes, para que nenhum deles ficasse chateado. Já no Dia das Mães, a presenteada foi a madrinha - uma tia de Carvalho.